JOGO DE BOTÃO

JOGO DE BOTÃO
JOGO DE BOTÃO

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

LOUCOS POR FUTEBOL DE BOTÃO  II  -

A idéia de produzir um livro contando histórias de botonistas e do jogo de futebol de botões desde suas origens, suas diversas teses  e hipóteses sobre seu início e locais, surgiu quando o blog Futmesabrasil ,  do estado de São Paulo, onde fui colaborador  mensal ( com matérias do meu acervo pessoal de cerca de 40 anos ), começou  a apresentar um volume considerável de crônicas e reportagens históricas que, pensei  eu  com os meus botões, poderiam transformar-se numa leitura interessante e agradável, também, para o mundo botonístico brasileiro e até do exterior, neste novo formato em impressão gráfica.
Assim, ficariam registradas para as futuras gerações, nem que fosse somente como um grande relato e curiosidade sobre uma das maneiras como nos divertíamos no século passado, mais especificamente, dos anos 50 para nossos dias.
Com as colaborações consentidas e autorizadas do grande escritor, cronista, administrador de empresas e desenhista industrial Paulo Bosco, botonista brasileiro radicado nos Estados Unidos,  de Marcelo Suárez Garcia, nosso grande escritor, poeta, cronista e botonista espanhol das Astúrias,  do poeta, ex-bancário, advogado e decano dos botonistas gaúchos Miguel Orci, de Canoas-RS,  dentre outros grandes cronistas, escritores, jornalistas e  colaboradores diversos, encorajei-me com a possibilidade de produzir uma futura publicação reunindo as histórias e crônicas do nosso "  jogo de botão ", até então, matérias diversificadas e espalhadas nos quatro cantos do mundo.   Todas as matérias interessantes sobre a temática futebol de botão, encontradas na internet e na imprensa, foram selecionadas para postagens nos blogs e posteriormente, no livro impresso.
Até arrisquei e me aventurei a escrever algumas  matérias das quais participei  ou tomei conhecimento ( mesmo não sendo escritor ) e nestes momentos sempre  lembrava do antigo parceiro de centenas de jogos de futebol de botão, durante a minha infância e adolescência,  o amigo James Hilton Macedo, que registrava numa caderneta, todos os resultados dos nossos jogos, certamente, mais de mil partidas, dos quais só lembro a minha maior derrota por 7x1 e minha maior vitória sobre o companheiro por 10x4.  Também recordo seu maior número de vitórias nos primeiros anos de nossos confrontos e  a progressiva reversão de resultados a meu favor nos últimos tempos.
Certamente,  o antigo parceiro de confrontos amistosos e torneios  todos realizados praticamente,  na sua mesa e na sua casa, ainda teve mais vitórias do que derrotas, apresentando uma supremacia que  jamais consegui desmanchar, ao menos, nesta vida terrena.  Talvez, numa outra dimensão espiritual, pois o parceiro de tantos jogos partiu precocemente, lá pelos 50 anos. Novas revanches só poderão acontecer, talvez, no mundo infinito dos astros e estrelas, como descreve o poeta espanhol Marcelo Suárez Garcia, na sua célebre poesia "Hino a uma paixão", onde roga aos deuses um espaço para  uma mesa de jogo de futebotão entre as estrelas do universo.
O parceiro de  intermináveis e incontáveis confrontos de  jogos de botão James Hilton Macedo, na interiorana cidade de Cachoeira do Sul, além de  grande jogador, era também um excelente texto e cronista, tal qual seu  homônimo escritor americano que lhe emprestou o nome ( James Hilton ), isto, logicamente, graças ao seu pai, fã de carteirinha e leitor fiel do grande best-seller da América.  Este livro, certamente, contaria com belos textos e crônicas maravilhosas deste amigo e companheiro de jogo, precocemente desaparecido da  nossa dimensão.  Mas, lá em cima, nos céus infinitos, deve haver uma mesa oficial completa em boas condições e times de galalite, ou até de acrílico, para diversão eterna de todos nós, quando lá chegarmos.    É  a torcida também do companheiro botonista Ronei Tauber...   Estás lembrado  destas palavras na sede da Lancheria Apolo, Ronei ?  - " Lá em cima tem que ter uma mesa de futebol de botão pra  gente  curtir e passar o tempo "...
O companheiro e amigo botonista José Obereci Carvalho prontificou-se a colaborar  e vem emprestando sua colaboração prática e efetiva, na organização dos capítulos, divisões e textos deste livro, com muita eficiência, apesar de ser um cético na crença da idéia de unificação das regras do jogo de futebol de botão, concepção na qual acredito e venho lutando, tal qual um Don Quixote sonhador e visionário, mesmo que a  maioria dos botonistas creia ser impossível, ou inviável,  ou até mesmo, impraticável tal propósito..  Mas, continuo acreditando neste sonho quase  impossível, pois, esporadicamente, encontro e converso com pessoas que, ao menos, opinam que isto  seria o ideal para a preservação e continuidade do jogo entre as  novas gerações  que só conhecem jogos eletrônicos da modernidade.  Mas dizem, também, tratar-se na prática, de uma legítima missão impossível ! 
Às vezes me questiono se serei eu o único sonhador, visionário e idealista  neste mundo dos botões de múltiplas regras e regulamentos  diferenciados ?   Porque  ninguém acredita na unificação das regras de futebol de botão se todos os botonistas do mundo só teriam  a ganhar com  esta prática ?    Pois não é uma verdade irrefutável e indiscutível que os maiores, mais praticados, mais populares e mais difundidos esportes ( na televisão ) do mundo têm regras únicas e padronizadas e são jogados da mesma maneira no mundo inteiro ?  ( Casos do futebol de campo,  basquete, vôlei,  tênis,  futsal,  tênis de mesa,  beisebol, rugby, futebol americano ).
Por que o nosso Futebol de Botão de Mesa, o melhor jogo ( esporte-hobby ) do mundo não pode ter regras únicas e padronizadas para todos poderem praticar este esporte da mesma maneira  em todo o planeta ?
De qualquer forma, pretendo continuar  sendo um sonhador prático e idealista, talvez um visionário, crente  e incorrigível neste propósito.   O que se há de fazer ?
Faço parte, com muita honra deste grupo seleto dos que gostam demais deste esporte e de todas as suas implicações, ao ponto de sermos  conhecidos como os  " LOUCOS POR FUTEBOL DE BOTÃO."

Uma apresentação parcial do livro "Loucos por futebol de botão", em fase de elaboração final para lançamento em edição impressa em breve.
Enio Seibert- enioseibert@hotmail.com ; blog: www.botonismo.com.br
Porto Alegre- Estado do Rio Grande do Sul- Brasil

domingo, 2 de novembro de 2014

                                                LOUCOS POR FUTEBOL DE BOTÃO


Vem aí o livro sobre as coisas e fatos do mundo fascinante do futebol de botões acontecidos na eterna capital mundial deste esporte, cidade de Porto Alegre, estado do Rio Grande do Sul, no Brasil, nas Américas, na Espanha e no mundo, com as principais matérias postadas no extinto blog futmesabrasil e no blog atual botonismo.com.br   Histórias, crônicas, regras, regulamentos, curiosidades, origens, teses e hipóteses, cronologia, loucuras, estórias, fabricantes de botões e de mesas, botonistas famosos, clubes praticantes, departamentos  de futebol de mesa, regras nacionais ( brasileira, gaúcha, paulista, carioca, dadinho, pastilha, celotex paraense, maranhense, pernambucana ), regras internacionais (regra catalana/Barcelona, valenciana/Valência, Sectorball/Hungria) e a proposta de unificação dos regulamentos do jogo com a Regra Unificada de Futebol de Mesa/Unified Rule (já traduzida para o inglês).
Os maiores cronistas de futebol de botões do mundo e suas histórias maravilhosas e apaixonantes que irão fazer você se emocionar, sorrir e chorar. 
Marcelo Suarez Garcia ( das Astúrias ), Carlos Espada (de Valência), Carlos Garcia Dalmau (da Catalúnia ), Paulo Bosco (sul de Nova York), Luis Fernando Veríssimo (Porto Alegre), Ricardo Meni (Jaboticabal/São Paulo), Adauto Sambaquy (Balneário Camboriú/Santa Catarina),  David Coimbra (Porto Alegre),  Ruy Carlos Ostermann (Porto Alegre), Chico Buarque de Holanda (Rio de Janeiro),  João Batista Rangel (Cascavel/Paraná),  Miguel Orci (Canoas/Rio Grande do Sul),  Enio Seibert (Porto Alegre), dentre outros, são alguns dos contadores de histórias do jogo de botões  que desfilam nas cerca de 300 páginas deste livro inédito  no mundo. 
Esperamos e até podemos  garantir  que este livro  tem tudo para tornar-se o novo livro de cabeceira dos botonistas praticantes do melhor jogo do mundo, também considerado um hobby desestressante, uma paixão sem limites, uma terapia de vida, uma razão a mais para viver.  Compilação do botonista Enio Seibert, 70 anos de idade e 60  de prática do futebol de botões de mesa.    Em breve, lançamento da edição impressa em português.  Aguardem novas notícias no blog  www.botonismo.com.br