JOGO DE BOTÃO

JOGO DE BOTÃO
JOGO DE BOTÃO

domingo, 8 de setembro de 2013

O ROUBO DO COLADINHO

Essa história aconteceu há mais de sessenta anos. Naquela época, jogava muito na casa do Enio Chaulet, o qual tinha diversos times de botões puxadores. Entre eles havia um, quebrado pela metade e que fora magistralmente colado. O Enio era perfeccionista e seus botões eram imaculados, cuidadosamente polidos e o Coladinho estava ficando um pouco de lado. Certo dia, perguntei se ele venderia o botão. Relutou em desfazer-se do mesmo, até que estabeleceu um preço pelo mesmo.
Coladinho - o botão goleador
Ao saber o valor da transação, solicitei-lhe que o guardasse, pois eu o compraria. Para isso necessitaria juntar as minhas parcas reservas financeiras e me privar de matinês, lanches, doces e picolés. Estava com 14/15 anos na época. Fui guardando as minhas economias e, por fim, ataquei o cofre de moedas de minha mãe. Habilmente, colocava uma faca na abertura que permitia a colocação das moedas, fazendo com que algumas delas deslizassem para o meu bolso. Finalmente, o montante da maior transação botonística daquela época estava em meu poder.
No sábado, dia que nos reuníamos para jogar, desloquei-me até à casa do Enio. A primeira coisa foi negociar o Coladinho. Com ele no meu time, senti-me como presidente do Real Madrid ou do Barcelona. Um craque de alto valor que se reunia aos outros botões que faziam parte de meu plantel. Naquele sábado estavam lá, além de nós dois, o Dario Panarotto e um rapaz que era conhecido pela alcunha de Português. Jogamos um torneio rápido e o Coladinho começou a fazer suas vítimas, pois não errava um chute em direção ao gol. No final, o tal de Português fez um convite para participarmos de um torneio que seria realizado em sua casa no domingo pela manhã. O Enio, que era filho único teria de acompanhar a mãe assistindo à missa, e o Dario teria de compensar o sábado, trabalhando no bar de seu pai no domingo. O bar ficava na esquina da Igreja, defronte à Loja Magnabosco. Restou somente o feliz proprietário do Coladinho. Aceitei o convite, afinal estava a fim de mostrar a minha nova contratação a todos os botonistas caxienses, e a oportunidade se apresentava, embora eu nunca houvesse jogado naquela casa. O Português me informou que a mesma ficava ao lado do campo do Juventude, solicitando que aparecesse cedo, pois estariam por lá mais cinco botonistas.
No domingo pela manhã, com a minha caixinha debaixo do braço, desci a Rua Alfredo Chaves em direção ao campo do Juventude. Ao chegar ao local, já se encontravam cinco rapazes que eu não conhecia pessoalmente. Mas, quem gosta de jogar botão não escolhe adversário. Fui enfrentando um a um e vencendo, fazendo com que a fama do Coladinho aumentasse a cada novo gol conquistado. Fiz a partida final e venci. Foi então que o pessoal veio me cumprimentar, rodeando-me e dizendo que eu deveria ir jogar sempre com eles, enfim me bajulando, deixando-me no meio da roda. Eu me senti um ás, um vencedor, apesar de que não havia troféu algum em jogo. Após essa encenação, fui recolher meu time e... quase todos os botões ainda estavam em cima da mesa. Olhei incrédulo, procurando pelo mais importante e ele não estava lá. Faltava o Coladinho. Pedi que me devolvessem o botão que estava faltando. Todos fizeram cara de surpresos, afirmando que ninguém o havia pegado. Reclamei, insisti e perdi a paciência, chamando-os de bando de ladrões, salafrários, dissimulados, desonestos. Até a mãe deles apareceu na sala para saber o que estava havendo; ao saber do furto, simplesmente defendeu seus filhos e amigos, dizendo que ninguém dali pegaria um botão. Mas, não era um botão, era o botão, era o Coladinho, pelo qual eu fizera tanto sacrifício para ter em meu plantel. Não aguentei mais e chorei. Juntei os restantes, colocando-os na caixa e saí porta afora, soluçando, subindo a Alfredo Chaves, até chegar a casa, desolado. Havia feito uma compra almejada, e o botão apenas dormira em minha caixa uma noite. Fui roubado vergonhosamente. Nunca mais soube do Coladinho e também nunca mais falei com aqueles gatunos. Perdi um botão que me dera em poucos jogos imensas alegrias, mas me livrei de tornar-me amigo de pessoas desonestas.
Foi a minha primeira decepção no futebol de mesa. Muitas outras viriam a acontecer, mas a primeira a gente nunca esquece. Ao longo de minha vida de botonista tive decepções com pessoas que considerava amigas e que traíram a minha confiança. Fui enganado por pedidos dramatizados de botonista, dizendo que necessitaria de um empréstimo para cobrir um cheque para poder internar sua mãe em um hospital, com promessa de pagamento para dali a dias. Perdi dinheiro e o falso amigo. Graças a Deus eu nunca fui escravo do dinheiro e o uso para o seu fim com honestidade. Nunca deixei de cumprir minhas obrigações e acredito que continuarei assim até o fim dos meus dias. Com isso mantenho a minha consciência tranquila e fico sempre em paz na hora de dormir. Talvez, por essa razão eu sofra quando acontecem coisas assim, pois sempre procurei ajudar aqueles que considero meus amigos e nunca esperei retorno algum. Mas, pelo gigantismo que o futebol de mesa atingiu, não podemos estar imunes de sofrer decepções como às que sofri. Sempre procuro seguir à máxima que aquilo que fazemos aqui na Terra, pagaremos aqui mesmo. Por isso, ainda espero um dia encontrar o Coladinho e render-lhe homenagem, colocando-o em minha prateleira com um cartão de agradecimento pelos gols nos dois dias em que esteve em minhas mãos.
 
 
Postado por Enio Seibert- enioseibert@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário