JOGO DE BOTÃO

JOGO DE BOTÃO
JOGO DE BOTÃO

domingo, 21 de abril de 2013

O GOL INCRÍVEL FEITO PELO CALEGARI

Essa é mais uma das histórias acontecidas em um campeonato realizado na AABB, em Caxias do Sul. Em 21 de agosto de 1968, durante a realização de uma rodada pelo campeonato interno da AABB, o Calegari deveria jogar contra o Sylvio Puccinelli e com o Rubens Constantino Schumacher.
Jogo contra o Calegari era sempre encardido, pois o nosso colega era simplesmente inimaginável. Fazia coisas que ninguém conseguia realizar, mesmo se tentasse várias vezes. Conseguia errar a bolinha a poucos centímetros do botão, como também conseguia realizar um chute com um zagueiro atravessando o campo e marcar um golaço.
Mas, esse gol não foi de zagueiro.
Calegari, o grande gremista de sempre.

O Calegari estava levando um sufoco de seu adversário e o jogo estava empatado. A iminência de perder a partida se acentuava a cada nova jogada. Foi então que aconteceu a célebre jogada“inesquecível”. A bolinha para em cima da linha de fundo de campo. Paradinha, sem chance de construir uma jogada, pois o seu botão mais próximo estava na linha lateral do campo, a uns quinze centímetros da linha de fundo. Botonista algum pensaria em chutar ao gol uma bola daquelas. Em seu pensamento, Calegari deve ter arquitetado o seguinte: Peço ao gol e chuto para fora. Com isso recoloco a minha defesa que estava desarrumada... É o que vou fazer!
Dito e feito: Comandou com autoridade: - Prepare que eu vou chutar ao gol!
Seu adversário veio para a direção do botão que seria o chutador, olhou para o gol e colocou o goleiro em paralelo à linha de gol. Assim, se por ventura a bolinha fosse até a área pequena, não se chocaria com o goleiro e daria chance de um lateral.
Avisou que estava pronto. Os demais que estavam assistindo à partida ficaram postados, admirando a proeza imaginada pelo Calegari. Todo mundo em silêncio.
Calegari coloca a palheta em cima do botão, com o detalhe que ele jogava com uma mão somente. Olha para a bolinha, fecha um olho e pressiona com força, soltando o botão feito um bólido em direção ao disquinho imóvel na linha de fundo.
Foi então que aconteceu o inacreditável.
O botão número 7 (Tarcisio) trisca o disquinho (bolinha) de uma forma impressionante. O disquinho levanta e realiza uma trajetória encurvada, rolando em direção ao gol. Mas tudo isso de uma forma quase quadro a quadro, vagarosamente. A bolinha levanta e parte em direção à área grande adversária, entra na metade da área pequena, passa ao lado do goleiro e cai mansamente logo após a linha de gol. Ninguém queria acreditar no que estava vendo. Calegari havia conseguido marcar um gol impossível num jogo em que seu adversário se portava melhor. Foi uma festa, pois o Caligula, como era carinhosamente apelidado pelo Vicente Sacco Netto, foi pequeno para os abraços e comemorações. Não é necessário dizer que o jogo terminou 1 x 0 para o nosso herói.
Depois do jogo ele ficou tentando por mais de duas horas repetir o feito, mas nem de longe chegou perto do magistral chute. São coisas que só acontecem no futebol de mesa e para o Sérgio Calegari.
Tentei desenhar a jogada e espero que possam, através do esboço, sentir a grande dificuldade que esse gol atingiu. Em todo o meu tempo de futebol de mesa não consegui ver outra proeza semelhante a essa. Bons tempos.
 
Postagem de Enio Seibert- enioseibert@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário